quarta-feira, 20 de novembro de 2013

VOCÊ SABE RECONHECER OS SINAIS DA PAQUERA? SABE QUANDO ALGUÉM ESTÁ INTERESSADO (A) EM VOCÊ?

A LINGUAGEM NÃO VERBAL NOS DÁ AS ARMAS. FIQUEM ATENTOS

(Por Adriana Santiago)


          O fato é: O CORPO FALA e de maneira absolutamente contundente! Quando estudamos a linguagem não verbal descobrimos o quanto deixamos de “ler” o que o outro nos diz apenas com seus gestos e expressões e o quanto deixamos de utilizar mais o nosso poder de comunicação, pois não reconhecemos os sinais que podem potencializar a nossa linguagem.  Enquanto palavras ocupam apenas 7% do espaço do que se quer expressar, o nosso corpo diz os outros 93%.

                                                                                            
           A linguagem emitida por nosso corpo é herança  da evolução da nossa espécie e por isto pode ser considerada Universal. Ela se expressa com tanta naturalidade e inconscientemente que “quase nunca” podemos evitar. Na Paquera e nos rituais de conquistas revela o quanto estamos disponíveis, entusiasmados ou até mesmo, desesperados.

 No mundo dos animais irracionais há poucos problemas quando se trata de escolher parceiros e lidar com os relacionamentos, pois os sinais são claros, contundentes e precisos. Geralmente, a fêmea entra no cio, o  macho parte para o ataque e pronto!  Em várias espécies de pássaros, por exemplo, o macho anda de maneira empertigada em volta da fêmea, fazendo barulho, eriçando as penas e executando movimentos corporais para atrair a atenção, enquanto ela demonstra pouco ou nenhum interesse.  Mas não há como se equivocar! Ela está no cio, emitiu os sinais e ele captou!

Com os humanos a coisa não é tão simples assim! Pois entre eles, elas e os sinais corporais, há a palavra! E a palavra, neste caso, veio para confundir muito mais do que para explicar.  Mas, vamos lá! Vamos voltar a falar de algo que  já conhecemos mas não RECONHECEMOS:  A nossa Linguagem não verbal.

O ser humano é a única espécie no planeta azul que se sente confusa em relação ao jogo da sedução. Pois “esquece” do que quando criança podia perceber com muito mais nitidez. Aqui vamos dar algumas dicas para iniciar e até mesmo melhorar as relações amorosas.

Dica número 1:

Comece a notar como homens e mulheres mudam sua postura quando se cruzam ou quando avistam um alvo de desejo! Há uma elevação do tônus muscular, que se prepara para um possível encontro sexual: o estômago se contrai, o corpo assume uma postura ereta e adquire uma aparência mais jovem. Inconscientemente o seu corpo reage ao sexo oposto para tornar você mais atraente. Se você perceber que o outro se eriçou, bingooooo, é um excelente momento para começar a emitir e perceber os sinais.






Dica número 2:

Sintam-se privilegiadas, meninas, são as mulheres quem escolhem os pares amorosos.  Elas enviam sinais sutis com os olhos, corpo e o rosto ao homem que lhes despertou interesse. Por isto, entenda a linguagem do seu corpo  e use-a a seu favor.Os homens até pensam que são eles que tomam a iniciativa, mas não iniciam nada sem antes “perceber” algo que os franquia a começar .  Para os homens, a dica é: preste atenção nos sinais femininos para não dar uma varada n’água!  Na paquera, quase sempre, as mulheres escolhem a música e os homens executam a maior parte da dança.





Dica número 3:

Mulheres, caprichem no olhar e homens, reparem em  quem está te olhando. A mulher examina todo o salão e localiza um homem que lhe desperta interesse. Ela espera que ele note sua presença, olha fixamente para ele por cerca de cinco segundos e desvia o olhar. Ele a observa para ver se ela vai olhar para ele outra vez. Por isto é preciso que a mulher repita este mesmo olhar por três vezes antes que o homem perceba o que está acontecendo.  Porque eles têm dificuldades na percepção dos sinais e este é um grande problema que pode causar infinitos equívocos. Enquanto as mulheres usam 16 áreas do cérebro para fazer esta leitura, os homens utilizam apenas 4.  É “natural” que eles não entendam bem! Por isto, meninas, esforcem-se!




Dica número 4:

Meninas,  mantenham o sorriso em dia. Um meio-sorriso rápido, tem o objetivo de acender o sinal verde para que o homem se aproxime.  Infelizmente, muitos homens não reagem a este sinal e por isto passam a impressão de que não estão interessados.  Por isto, meninos, comecem a perceber o que para elas é sinal de abertura.  Treinem esta percepção já que o cérebro de vocês não está bem preparado para fazer a diferença entre um sorriso sarcástico e um sorriso de interesse real.


Sorriso Sarcástico (Ela não te quer)





Sorriso de Paquera (Você tem alguma chance)




Dica número 5:

Homens, reparem  bem se o seu  “alvo” está jogando a cabeça para trás e mexendo nos cabelos. Até mulheres com cabelos curtos fazem isto. Este é um modo sutil de demonstrar que ela se importa com a maneira que  você a vê.  Mulheres, se  estão interessadas em alguém, além de arrumar os cabelos para trás para mostrar melhor seu rosto, o faça de maneira que você  exponha as suas axilas, pois este é um excelente modo de exalar os  feromônios, o perfume do sexo.


Dica número 6:

Mulheres: Se querem mostrar interesse por alguém, agarre-se a um objeto cilíndrico e comece a acariciá-lo. O próprio dedo, o pé de uma taça, um brinco comprido, um cigarro valem como ícones.   Esta é uma indicação inconsciente  daquilo que talvez esteja em seu pensamento. Tirar e recolocar um anel do dedo também pode ser uma representação mental do ato sexual. Quando a mulher faz um desses gestos, o homem pode responder com uma tentativa simbólica de possuí-la acariciando o isqueiro, as chaves do carro ou qualquer outro objeto dela  que esteja por perto. Procure rápido uma deixa para se aproximar.



Dica número 7:

Meninos e meninas,  observem se os joelhos dos seus alvos estão apontando para você. Se tiverem, ótimo prenúncio, pois joelhos e pés apontados significam interesses em ambos os sexos.  Se você é mulher, cruze as pernas pois devido à configuração óssea, muitos homens não conseguem se sentar desta maneira. Isto, então se torna um poderoso sinal de feminilidade, ressaltando as diferenças intransponíveis entre os sexos.  Ah, balançar o sapato na ponta do pé indica uma atitude relaxada. O ato de enfiar o sapato e retirá-lo também tem uma conotação sexual. Essa atitude deixam os homens inquietos, sem que eles saibam o que está acontecendo exatamente.




Dica número 8:

Homens, saibam de uma coisa bem importante:  A bolsa de uma mulher é um item extremamente  pessoal. Ela a trata como se fosse uma extensão do seu próprio corpo. Por isto, se ela a colocou bem perto de você, fique  atento.  Isto é um forte indício de que ela está interessada. Tome conta e se possível, toque-a e acaricie. Com certeza a mulher em questão ficará encantada.

Dica número 9:

Cuidado com as minissaias. Mulheres que usam saias curtas costumam sentar-se com as pernas bem cruzadas para se proteger, mas isso faz com que pareçam fechadas e tenham menos chances de serem convidadas para dançar numa boate, por exemplo. Os homens, ADORAM ver as pernas femininas, mas é melhor que as mulheres usem roupas confortáveis que não limitem sua linguagem corporal.




Dica número 10:

Meninas, mostrem seus pulsos. Eles são uma excelente maneira de chamar a atenção dos homens. Quando uma mulher interessada expõe aos poucos a sensível pele interna dos pulsos ao parceiro em potencial, ela demonstra sinais de submissão  e mostra a ele uma zona absolutamente erógena, mas pouco explorada. Isto o enlouquece, e ele nem percebe.








Para concluir e arrematar as dicas, não esqueçam  de  ressaltar suas  diferenças sexuais e sua disponibilidade. Isto  o torna mais atraente ao sexo oposto.  Nossos sinais biológicos de gênero operam num nível sub-consciente e não podemos evitá-los.  Tanto o cérebro masculino quanto o cérebro feminino são programados para ser atraídos por aqueles que demonstram a mais elevada capacidade reprodutiva e a maior disponibilidade sexual.  A boa notícia é que não precisamos ser esteriótipos de beleza para atrair o sexo oposto. Se fizermos boa leitura dos sinais, conseguimos fisgar nosso peixe, basta saber o que colocar na isca, afinal de contas, quando vamos pescar, colocamos no anzol o alimento preferido dele, não o nosso. Você já comeu minhocas, por acaso? A ideia pode lhe parecer repugnante, mas para o peixe, é o que há de mais apetitoso.
Boa Sorte!!!!!!!!!!!!!!!


Adriana Santiago
CRP: 05-20345
PSICOLOGIA POSITIVA
TEL: 86622565/26092565/26094075



domingo, 3 de novembro de 2013

Você sabe o que é COACHING?


Palavrinha da moda! Todo mundo na área empresarial já ouviu falar e muita gente boa por aí neste mundo de meu Deus também. Vou esclarecer alguns pontos aqui para vocês entenderem um pouquinho melhor sobre a natureza do coaching e falarei  da aplicabilidade da psicologia positiva neste processo.

O termo coach surgiu na Inglaterra em 1500, para denominar aquele que conduzia as pessoas numa carruagem de um lado para outro. Em 1850, foi designado para definir o TUTOR, aquele que protege e dá amparo às pessoas que não têm condições de se resolverem sozinhas.  

Atualmente, ele se refere a algo muito maior. Desde 1950, este termo vem sendo aplicado para descrever quem conduz alguém a atingir seus objetivos, não somente objetivos que dizem respeito ao espaço, mas objetivos que dizem respeito aos desejos. Quando assumiu este significado, o termo era utilizado para se referir ao gerenciamento de pessoas onde então, foram introduzidas as primeiras técnicas de desenvolvimento pessoal e humano, valorizando as competências dos indivíduos e relacionando as mesmas ao processo de melhoria continua.

Em 1960, em Nova Iorque,  um programa educacional introduziu pela primeira vez as habilidades de Coaching de Vida, ou Life Coaching. Posteriormente este programa foi  levado para o  Canadá, onde foi aperfeiçoado com a introdução de técnicas e ferramentas para a resolução de conflitos e problemas.

 No Brasil, o Coaching surgiu na década de 70, através de associações com o meio esportivo, para então entrar no mundo dos negócios ainda mantendo seu significado original, de “conduzir” o individuo para uma etapa mais avançada de seu mundo.

Atualmente o coaching é um processo que se expande por toda a história do sujeito, pois ele serve como instrumento de melhora do bem estar do indivíduo,  o ajudando  a atingir suas mais variadas metas.

O coaching é uma  PODEROSA FERRAMENTA DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL. Processo de análise e evolução que abrange todas as áreas da vida do cliente. Vem sendo amplamente utilizado por pessoas que buscam o sucesso pessoal e profissional integrados a todas as demais áreas da vida.

E onde a psicologia positiva entra nisto?

Ela oferece instrumentos com validação científica para serem utilizados no processo.
Desde 1998, esta ciência nova vem pesquisando  sobre o florescimento humano. Milhões são investidos em estudos científicos para aumentar o bem-estar individual e coletivo. Os resultados têm sido tão surpreendentes que governos de vários países vêm aplicando suas descobertas para melhorar o crescimento global. Alguns países atualmente, nem medem mais seu nível de desenvolvimento pelo PIB (Produto Interno Bruto). Eles estão focados no FIB (Felicidade Interna Bruta). Exemplo disto é um país bem pequeno que fica no Himalaia chamado de Butão. (Vocês podem conferir através deste link: http://super.abril.com.br/cultura/sorria-voce-esta-butao-446444.shtml.).

Agora o foco é o coaching e a psicologia positiva. O processo de coaching supõe um coach  e um coachee. O primeiro utiliza, oferece e apresenta ferramentas para que o segundo atinja metas previamente estabelecidas. Estas metas deverão ser bem definidas e devem estar de acordo com os valores do cliente. Neste caso, o coachee.  Usando a psicologia positiva como base do trabalho, o profissional de coaching deverá partir de alguns princípios básicos:  Em primeiro lugar: OS SERES HUMANOS TÊM UMA TENDÊNCIA INATA PARA MUDAR E SE SUPERAR. Segundo: FOCAR NAS FORÇAS É MUITO MAIS PODEROSO DO QUE FOCAR NAS FRAQUEZAS PARA ALCANÇAR O SUCESSO e terceiro: POSITIVIDADE – SEJA SOB A FORMA DE EMOÇÃO POSITIVA OU ESPERANÇA – É UM PODEROSO RECURSO PARA FACILITAR A MUDANÇA E ALCANÇAR O SUCESSO.

Tendo como base estas premissas fundamentais o profissional de coaching terá possibilidade de fazer com que o seu coachee realize seus sonhos e atinja as suas metas de maneira bem mais eficaz e coerente com as forças pessoais do seu cliente.

E você já sabe o que quer para a sua vida? Estabeleceu suas metas para o próximo ano, para o próximo mês, para o próximo dia?

Procure então um profissional da área e veja como os seus sonhos podem se tornar realidade. Isto tudo com respaldo científico.

Até mais

Adriana Santiago
CRP: 05-20345
Psicologia Positiva
Consultório: Itaipu, Santa Rosa e Copacabana.

Tel. 26092565 - 86622565

domingo, 27 de outubro de 2013

Como Você Reage às Suas Tragédias Pessoais?




Walkíria, 35 anos, mulher linda, médica, já tinha passado por algumas agruras na vida, mas nada se comparava ao que estava por vir. Saiu num dia chuvoso para uma festa com seu marido e ao voltar, numa crise absurda de ciúme, ele incendiou a casa, na tentativa de matá-la. Tudo, absolutamente tudo que  tinha foi consumido nas chamas, mas ela conseguiu escapar.  Perdeu documentos, todos os seus livros, fotos importantes e irrecuperáveis, joias e mais que isto, a noção  de família que havia criado. Perdeu a ilusão de que vivia uma história de amor, caiu por terra  o que tinha  projetado para a  sua vida. Estarrecida diante da situação, sofrendo muito, até chorou! Mas, imediatamente, arregaçou as mangas e começou a tratar de reconstruir o que havia sido destruído. Dor? Claro que ela sentia. Era muita e era física! Mas isto não a impedia de seguir na sua reinvenção.  Hoje, vai muito bem obrigada! A casa foi reconstruída e a vida também.

Esta é a história de uma paciente, mas poderia ser a sua. Com certeza você deve ter passado por situações muito difíceis! De que maneira atuou nesta ocasião? Como está reagindo às suas tragédias pessoais? Existem pessoas que sucumbem ao menor sinal de estresse. Não se sentem capazes de ter atitudes  e se recuperar numa situação traumática. Pensam assim: “Como eu sou infeliz! Isto só acontece comigo!” ou  “ Caramba, meu amigo tem uma vida perfeita, a minha é uma droga!”, ou mesmo, “Nunca conseguirei sair desta situação!”. Estas pessoas não conseguem entender que viver significa correr riscos e que todos nós estamos expostos às adversidades na vida. Elas insistem em pensar que tal fato  não poderia  ter acontecido, que nunca mais irá se recuperar de uma desgraça tão grande. Se  perdem alguém, não entendem que este é o curso “natural” da vida; se passam  por dificuldades financeiras, não contam  que suas ações os levaram a isto; se nasceram menos favorecidos, não percebem que suas atitudes podem mudar este status; se adoecem, não consideram  que somos humanos e perecemos;  se terminam  um relacionamento, não admitem  que encerraram  um ciclo e podem começar outro.  Elas se apegam a dor e a partir daí montam uma rede sintomática que provavelmente as levará à doença física e mental.

 Alguns ainda desenvolvem o que chamamos de TEPT (Transtorno do Estresse Pós-Traumático),  uma combinação macabra entre ansiedade e depressão, que pode levar ao abuso de substâncias químicas e até mesmo ao  suicídio. Isto é gravíssimo! Indivíduos com TEPT revivem a situação traumática  a todo momento e evitam sempre qualquer evento que lembre o fato corrido. Se Walkíria desenvolvesse este transtorno, provavelmente ficaria com aversão à velas, fósforos e\ou dias chuvosos, pois estes fatos lembrariam o incêndio ocorrido. Ela também não reconstruiria a sua casa e a vida amorosa. É comum, em grandes tragédias,  pessoas  com TEPT sofrerem com uma espécie de “CULPA POR TER SOBREVIVIDO”.  Exemplo disto são indivíduos que escapam de acidentes onde há vítimas fatais e se martirizam por anos achando que não mereciam  ter saído ilesos, que poderiam ter se esforçado mais para salvar  outras pessoas. Isto é muito triste, queridos! É uma espécie de “morte-viva”.

Mas, fiquem calmos, após diversas pesquisas, a psicologia positiva descobriu que podemos aprender a ser resilientes. De que modo? Regulando nossas emoções, potencializando as emoções positivas, reconhecendo nossas “forças de caráter ou qualidades humanas” e produzindo  ou fortalecendo nossos relacionamentos.  Falei grego? Eu explico:  Para regular nossas emoções é preciso que façamos sempre diante das nossas pequenas ou grandes tragédias cotidianas uma reavaliação cognitiva. Ou seja, é preciso que mudemos de perspectiva para entender o que nos acontece de forma diferente, pois afinal o crivo da realidade é determinado por nós. Por exemplo, quando rejeitados num processo seletivo qualquer, os menos resilientes entendem que não são bons o suficiente, se paralisam e provavelmente se deprimem.  Os mais resilientes, ao contrário, repensam as suas ações, entendem que provavelmente precisam se aprimorar mais e partem em busca de novas alternativas.

Para aumentar as emoções positivas é preciso  reconhecer o que lhe faz bem e atuar neste sentido. Uma outra técnica bacana é escrever diariamente pelo menos 3 acontecimentos legais ao longo do seu dia. Podem ser coisas bem pequenas, que aparentemente, você não daria muita importância, como por exemplo: quando alguém lhe faz um pequeno elogio; quando alguém lhe sorri sinceramente lhe desejando um bom dia; quando o trânsito está livre na hora do rush. Dar valor a coisas como estas, aumenta o nível de nossas emoções positivas, pois estamos acostumados a não reconhecer  quando tudo dá certo. Aceite, agradeça e escreva as coisas boas que acontecem diariamente. Assim, se tornará uma pessoa mais resiliente e por isto, mais feliz.

Uma outra maneira de aumentar a nossa resiliência é reconhecendo e utilizando as nossas forças de caráter ou qualidades humanas. Criatividade, humildade, prudência, capacidade de perdoar, capacidade de amar, liderança, perseverança, entusiasmo, generosidade, inteligência social, são exemplos de forças que cada um de nós possui e que podemos lançar mão para uma atuação mais plástica no mundo. Mas, para usarmos nossas forças é preciso reconhecê-las. Você sabe quais são as suas? Se não sabe, é preciso pesquisar, pois auto conhecimento é muito importante quando se quer aprimorar a existência.
Priorize os relacionamentos. Pesquisas demonstram que  fortalecer os laços amorosos e manter uma rede social próxima e solidária ajudam a desenvolver resiliência. Então, meus queridos, cheguem juntos, fiquem perto, solidão não leva ninguém a lugar nenhum e ainda promove estados depressivos. Comemore, ria e na dor, compartilhe! Seus amigos, seus amores, seus pares, os ajudarão nos momentos difíceis. Conte com sua rede solidária.

Fiquem atentos, pois nem sempre o trauma é integralmente negativo. Ele pode criar condições propícias para o crescimento! Para isto é preciso que você aceite-o sem culpa por ter sobrevivido, é preciso que você crie uma nova identidade,  renascendo como Fênix das cinzas, mais fortalecido e perto da imortalidade.  

Separações, doenças, perdas fazem parte da história de todos nós. Estamos vivos e isto significa que ao longo da nossa estrada seremos obrigados a passar por caminhos estreitos. Teremos que nos encolher, em determinado momento, para depois nos aprumar de volta.  Como Walkírias podemos sair por aí nos apresentando  como sobreviventes das nossas tragédias pessoais, ou podemos optar permanecer comprimidos  como molas e aguentar a pressão,  nos furtando de viver a vida com cores mais intensas. A escolha é sua.  

Adriana Santiago
Psicologia Positiva
CRP: 05-20345

Tel: 26094075 – 86622565

terça-feira, 22 de outubro de 2013

PÍLULAS CIENTÍFICAS (Por Adriana Santiago)

O Prazer está no Ar

Mau cheiro não combina com prazer, certo? Mais ou menos. Cientistas italianos descobriram que um dos componentes do pum, o gás sulfeto de hidrogênio, tem a propriedade de dilatar os vasos sanguíneos do corpo – e por isso pode funcionar como um ótimo remédio contra a impotência sexual masculina.





Churrasco Tenso!

Um levantamento feito em 581 cidades pela Associação Americana de Sociologia revelou que, quanto maior o número de abatedouros numa região, mais brigas, estupros, roubos e assassinatos acontecem por lá. O índice de crimes violentos chega a crescer 130%. Todas as vezes que olhar para um bifinho, repense! Ele pode aumentar a sua agressividade.



Excelente segurança

Quer proteger a sua carteira? Leve sempre uma foto de bebê dentro dela. Psicólogos espalharam 240 carteiras pelas ruas de Edimburgo, na Escócia, e descobriram que as carteiras com fotos de criancinhas têm 6 vezes mais chances de ser devolvidas ao dono.





Perto da cura
Foi este o avanço científico mais importante do ano de 2013, para a revista especializada Science. Em Maio, um teste clínico do HIV Prevention Trials Network concluiu que a toma de medicamentos retrovirais utilizados para combater o HIV reduzia a transmissão do vírus em 96% nas relações heterossexuais.A descoberta irá modificar a forma como são planeados os tratamentos da doença, escreve a Science.


Não Acredito!!!!!!

Estudos revelam que escutamos cerca de 200 mentiras por dia e que cada pessoa diz três mentiras em 10 minutos de conversa. Há pesquisadores que defendem ainda que a habilidade para mentir é inata, herdada da tendência evolutiva humana e visa a preservação da espécie.




Acelera Coração!
Exames de neuroimagem demonstraram que a PAIXÃO ativa áreas muito primitivas do cérebro, aquelas encontradas até em répteis. Apaixonar-se é, de fato, um dos mais irracionais comportamentos do ser humano. Além disso, a química da paixão envolve a dopamina e os resultados são aqueles fenômenos já conhecidos: sensação de bem-estar ao lado da pessoa amada, perda do apetite e do sono, emagrecimento e obsessão pelo outro. 

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Pouco importa o QUANTO dura uma relação.....


A propósito das relações amorosas: Estava no supermercado ainda agora e assisti uma cena trágica se não fosse cômica, ou cômica se não fosse trágica. Uma senhorinha numa cadeira de rodas sendo conduzida pelo marido, já pela casa dos 70. Ela simplesmente tinha um pé quebrado e esbravejava, com toda a sua lucidez: "João, seu imbecil, não é este pão não! É o de milho, aquele da casa!!!!!!!!!!!!!!!" ao que João respondia,"Tá bem, querida. E o que mais?". "Deixe o carrinho aqui e vá buscar o pão!".  João trouxe o pão e não era exatamente o que ela queria. "Mas será possível, seu banana, você não faz nada direito!". João já atordoado não sabia se conduzia a malcriada e mal humorada pelos corredores do estabelecimento ou se procurava o famigerado pão de milho.Ela continuava a gritar: "Me leve para ver o pão, me leve para ver o pão!"  Eu, a meu turno, já estava com pena dos dois e um pouco irritada com a situação.  E olha que só estive presente no instante que esperava para pedir o meu pedaço de queijo branco na fila.

Fico imaginando o que levou estes dois pobres-coitados a um final de vida assim! Por que se permitiram se desrespeitar desta forma? Por que construíram isto para eles?

Vejo no consultório meninos e meninas em busca de um par, sem saber ao certo o que querem ser para o outro. Eles têm muitas exigências em relação à sua metade da laranja mas não pensam: "O que eu quero ser para uma outra pessoa!", "Como posso ser amável para alguém?". E vão sendo por aí, sem o menor pudor de se esparramar na vida alheia,  achando que o ser "amado", não tem mais do que a obrigação de servi-lo, tanto objetiva quanto subjetivamente. Depois, mais tarde, quando o objeto do amor vai embora, se perguntam: "O que eu fiz para merecer tanta decepção.", "Aquele desgraçado (a) me abandonou!!!!!!!"

Ora bolas!!!!!!!!!!!!!! Tem mais que abandonar mesmo, para ver se pelo menos sobra UM feliz! Naquele caso, João e Senhorinha estavam condenados à tristeza eterna! Transtorno amplo, geral e irrestrito. Fui embora consternada e repensando as "relações amorosas". Para que durar tanto tempo sendo tão ruim assim? Como dizia o meu preferido filósofo Espinoza, o que vale são os bons encontros, mesmo que sejam pontuais e momentâneos.

Fica a dica!

Adriana Santiago.

terça-feira, 15 de outubro de 2013

NÃO É O AMOR QUE CONSTRÓI UMA RELAÇÃO



Como vão seus amores? Sim, seus pequenos, médios e grandes amores? Você está cuidando bem dos seus sentimentos? Reflito muito sobre a minha prática em consultório e dia desses, falando numa Universidade sobre o “Poder Terapêutico do Perdão”, percebi o quanto as pessoas estranham o conceito. E mais, o quanto pessoas esclarecidas intelectualmente não conseguem definir o perdão.  Puxa, será que estou misturando os temas? Amor, perdão, relacionamentos?

Não, claro que não! Todos estes assuntos estão relacionados.  As pessoas amam DEMAIS e se relacionam DE MENOS.  E ainda mais, mesmo amando MUITO, sentem uma enorme dificuldade de perdoar.  Vamos devagar e divagar!

O que mais aparece em consultório são pessoas que amam demais, não perdoam e  sentem–se amarguradas, fazendo das suas relações “amorosas” um inferno. Aqui me refiro a TODAS as relações amorosas: relações amorosas com seus pares românticos, relações amorosas com seus filhos, relações amorosas com seus pais, com seus vizinhos, com seus amigos, com seus colegas de trabalho.

No que tange aos nossos amores românticos, sempre prezamos que ele dure para sempre, mas não pensamos sobre como estamos agindo para que de fato este amor se eternize.  Muitas vezes achamos que "já que o outro me ama, tem que aturar todos os meus devaneios!” Isto funciona como uma espécie de prova de amor, entendem? Em uma ocasião perguntei a uma paciente, querendo entender suas intenções: "Para que você quer uma relação amorosa?” Ela respondeu: “Para que ele aponte meus defeitos!”. Ora, alguém que entra numa relação querendo que o OUTRO preste atenção nos seus defeitos, não pode estar querendo uma relação saudável.  É óbvio que esta pessoa não vai estar nem um pouquinho preocupada em ser amável e nem em construir uma relação em que o outro se sinta confortável.  A partir daí, equivocadamente, tudo será permitido em nome do amor: Vigiar os e-mails, controlar as mensagens, rastrear os caminhos, gritar, xingar, ofender... E aí, meus amigos, já era: este um exemplo de relação ruim que pode durar para sempre! 

Às vezes crio certa polêmica quando digo: Nem o amor ente pais e filhos é incondicional !!!!!!!!!  É só olhar para o lado agora, que você vai lembrar-se de algum exemplo neste sentido.  Estas relações, muitas vezes, são ressentidas, magoadas, cheinhas de desafetos.   E desafetos malditos!  É isto mesmo: MAL DITOS! As pessoas dizem muito mal sobre os seus sentimentos. Constroem relações familiares truncadas e vivem por anos a fio neste embate enlouquecedor. Perdoar?????????? Só de vez em quando no fim do ano para não ficar chato durante a ceia de Natal. Aqui você também pode perceber que amor, relação e perdão não andam juntos.

Os amigos, vizinhos e colegas de trabalho são mais fáceis de lidar, não é? Nem sempre. Se não somos amáveis e interessantes eles vão embora e ficamos sozinhos. Sabe aquela música do poetinha que diz “É impossível ser feliz sozinho”?  É uma verdade comprovada cientificamente. Quanto mais pessoas ao nosso redor, mais feliz e resilientes nos tornamos. Por isto, não esqueçam de manter a sua rede de relacionamentos bem ativa e saudável! Ame seu próximo e eventualmente diga isto para ele. Deixe claro o seu afeto e resolva seus desafetos.

Então, meus queridos, cuidemos bem dos nossos amores. Pois, são as relações que constroem o amor, e não o amor que constrói as relações. Se querem uma vida mais saudável e harmoniosa ame bem o seu par. Não vale amar de qualquer maneira, achando que o amor suporta desaforos. O amor para ser mantido, deve ser respeitado. Às vezes é muito melhor relações que duram menos tempo, mas são altamente gratificantes, do que relações eternas que acorrentam a nossa alma.

Fica a dica.....

Até mais.........

Se precisarem de ajuda, meus telefones para contato são

8662-2565/2709-4075/2609-2565

Atendimentos em Itaipu, Santa Rosa e Copacabana

Adriana Santiago
CRP: 05-20345

Psicologia Positiva

quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Dislexia, Dislalia e Disgrafia! Entenda um pouco e potencialize as suas crianças!


Este vídeo é perfeito para mostrar como ainda pensamos de maneira restrita em relação à aprendizagem e educação. Por que uniformizamos os saberes? Se todos somos diferentes, por que impomos um modelo de educação onde a diferença não pode se expressar e o diferente se sente oprimido?

É importante reconhecer o que há de bom nas nossas crianças, o que nelas há de potência! Assim, não nos ancoramos no defeito e fazemos com que elas se realizem e atuem de modo brilhante no mundo.





domingo, 29 de setembro de 2013

O QUE É “EDUCAÇÃO POSITIVA”?



“Educar é impregnar de sentido o que fazemos a cada instante”
(Paulo Freire)

Educação Positiva é o oposto da Educação Negativa? Não, claro que não, pois toda educação tende a ser positiva. A Educação Positiva é uma nova forma de abordagem para a educação de uma maneira geral. Educação nas escolas, Educação nas Famílias, Educação entre os Povos!  Ela começa a se esboçar em 1998, quando Martin Seligman, professor e pesquisador de Harvard projeta a sua teoria para uma nova ciência chamada Psicologia Positiva. Ele preconiza que o Bem-Estar PODE e DEVE ser ensinado na ESCOLA, pois o ESTADO DE HUMOR  interfere  na aprendizagem.

Diversas pesquisas tem confirmado a influência do humor no processo de aprendizagem. Um estado de humor positivo favorece a atenção e um pensamento mais criativo e holístico, pois abre a cognição para o novo. De bom humor, conseguimos vislumbrar maiores possibilidades  e enxergamos saídas para nossos problemas e questões.  Em contrapartida, um estado de humor negativo, produz atenção diminuída e um pensamento mais crítico e analítico, “favorecendo” a permanência no mesmo. O mau humor nos ancora no fato e nubla a nossa visão.

Um fato bastante grave é que a depressão hoje virou epidemia mundial e é dez vezes maior do que há cinquenta anos. Além disso, antigamente surgia por volta dos 30 anos, hoje em dia, aparece abaixo dos 15. Apesar de um aumento significativo do PIB mundial, a tristeza aumenta a cada dia. Nos estados Unidos, por exemplo, o poder de compra é três vezes maior hoje, a casa mediana dobrou de tamanho, há mais carros do que motoristas com habilitação, uma em cada duas crianças chega ao ensino superior, há mais acesso à música, menos racismo, mais direitos para a mulher, no entanto os americanos estão mais deprimidos.
Então, por que ensinar o Bem-Estar nas Escolas? Porque simplesmente ele é um antídoto à incidência galopante da depressão, é um modo de aumentar a satisfação com a vida e é um auxílio para uma melhor aprendizagem e a um pensamento mais criativo.

E o que é Bem-Estar? Segundo a Teoria da Psicologia Positiva  postulada por Martin Seligman, ele é composto por 5 elementos, a saber: Emoção Positiva, Engajamento, Sentido, Realização e Relacionamentos Positivos.

Esperança, Serenidade, Alegria, Paciência, Coragem, Gentileza, Afeição e Amor, são exemplos de emoções positivas. Elas podem construir e reconstruir a saúde física e mental, pois a chave para uma vida saudável e livre de doenças e estresse é manter as suas emoções sempre positivas. De que maneira fazer isto? Controle suas emoções e seus pensamentos. Só você é senhor de si mesmo.
Engajamento é o segundo elemento do Bem-Estar. Você já teve a sensação de que o tempo parou enquanto realizava uma determinada atividade? Ficou absolutamente absorvido numa tarefa e perdeu a consciência sobre si mesmo? Então você entrou em “estado de fluxo” e provavelmente fez muito bem o que estava se propondo. Quem faz o que ama e sabe fazer, é mais feliz e sendo assim, sente bem-estar subjetivo.

O Sentido é o terceiro elemento e diz respeito à significância que  alguma coisa tem para nós. O sentido dá VALOR à nossa existência e deve comandar as nossas atitudes no mundo. O que vale uma existência sem sentido?

O quarto elemento é a REALIZAÇÃO. Aristóteles,  trezentos anos antes de Cristo já dizia que para ser feliz é preciso que nos movimentemos. Não adianta sonhar, sem realizar. E para realizar nossos sonhos é preciso se programar e se planejar. Simples assim! É preciso transformar sonhos em metas possíveis de serem realizadas. Sem realização, continuamos sonhando a  um passo da frustração. Por isto, o “Progresso é a Realização de Utopias”, como já dizia Oscar Wilde.

O quinto elemento para o Bem-Estar subjetivo são os RELACIONAMENTOS POSITIVOS, pois não há nada melhor para a nossa vida que compartilhar com outras pessoas nossas conquistas e vitórias. Contrariando Sartre, “O Inferno Não São os Outros”, e sim nós mesmos quando não interagimos e não causamos emoções positivas em outras pessoas. Cientistas já comprovaram que praticar um ato de bondade, por exemplo, produz um aumento momentâneo do bem-estar maior do que qualquer outro exercício que já tenham testado. Então, vocês estão esperando o quê? Gentileza, além de gerar gentileza, produz um bem-estar danado.

Como Ensinar o Bem-Estar na escola?

Na Pensilvânia diversos cientistas ligados à psicologia positiva, montaram um projeto para a aplicação dos conceitos em uma escola. Este programa foi chamado de PROGRAMA DE RESILIÊNCIA PENN cuja meta principal é aumentar a capacidade dos alunos de lidar com os problemas do dia a dia. Ele é um dos mais pesquisados programas de prevenção à depressão do MUNDO. Durante as duas últimas décadas, 21 estudos avaliaram em comparação com grupos de controle. Estudaram mais de 3 mil crianças e adolescentes com idade entre 8 e 22 anos. Foi comprovado que, de forma confiável, ele previne a depressão, ansiedade e problemas de conduta entre os jovens.
Então, meus queridos, todos os dias pesquisas comprovam que ensinar o BEM-ESTAR nas escolas, nos clubes de futebol, na família, entre todos do universo:
 1) Reduz e previne a ansiedade;  2)REDUZ E PREVINE OS SINTOMAS DA DEPRESSÃO ; 3) REDUZ O SENTIMENTO DE IMPOTÊNCIA ; 4) PREVINE OS NÍVEIS CLÍNICOS DE DEPRESSÃO E ANSIEDADE; 5) ) Funciona para pessoas de diferentes contextos sociais e étnicos; 6)  REDUZ OS PROBLEMAS DE CONDUTA; 7)  Melhora a saúde física e mental ; É hora de começarmos a pensar os modelos vigentes e pesquisar novas maneiras de educar pois, segundo Seligman, “ A Educação Positiva, em si mesma, é uma forma lenta e gradual de espalhar o bem-estar por todo o planeta. Está limitada pelo número de professores e pelo número de escolas dispostas a adotá-la.”

Até mais

Adriana Santiago
(Psicóloga Positiva – crp 05-20345)
Consultório: Copacapana – Santa Rosa - Itaipu
86622565/26092565/26094075


sábado, 28 de setembro de 2013

VOCÊ SABE O QUE É AUTISMO?

Veja este vídeo com a Psiquiatra Ana Beatriz Silva e esclareça algumas dúvidas!



Conheça o THEO!




E outros gênios:



E você, reviu seus conceitos?

domingo, 8 de setembro de 2013

WORKSHOP LINGUAGEM NÃO VERBAL



Agradeço sempre ao acolhimento de todos! Muito obrigada!











LINHA DO TEMPO COMPLEMENTAR PARA O BREVE HISTÓRICO DA PSICOLOGIA POSITIVA


BREVE HISTÓRICO DA PSICOLOGIA POSITIVA

Queridos leitores, pacientes, amigos, alunos, colegas de trabalho, sei que este espaço é destinado ao 
público em geral e não se restringe ao mundo acadêmico. Mas, ao preparar uma aula, pesquisei e descobri coisas interessantíssimas sobre a história da psicologia positiva e  por isto gostaria de compartilhar com vocês. Sei que foge um pouco do perfil do meu blog, mas prometo que é bem interessante. O objetivo do texto é criar uma visão panorâmica da história da psicologia positiva, que é extremamente recente. Surge agorinha mesmo, no fim do século passado, em 1998 com Martin Seligman e tem causado grande reverberação mundial.  O interessante aqui é observar como a responsabilidade pelo nosso bem estar vem mudando ao longo da história da humanidade. Percebam bem como o eu, a consciência e a racionalidade aparecem e desaparecem ao longo deste percurso.

Para atingir este objetivo vou precisar retornar a 300 anos antes de Cristo e falar sobre Aristóteles, filósofo grego que acreditava que toda ação humana é perpetrada para se atingir a felicidade. E, para ser feliz é preciso ser VIRTUOSO. E uma vida virtuosa exige ESFORÇO E MOVIMENTO. As virtudes, para Aristóteles são ATOS CONSTANTES que levam o homem para o caminho do bem. Elas fazem parte da natureza, são adquiridas pelo exercício e não são inatas.  É a virtude que dá valor à felicidade. Aqui o Eu e a racionalidade são responsáveis pelo movimento que leva a felicidade!

Com o advento do cristianismo, o eu perde força para os poderes do Deus único e maior e a racionalidade aristotélica cai por terra, levando junto a responsabilidade do indivíduo pela sua felicidade.

Quase dois mil anos depois, em 1879, a psicologia se aparta da filosofia e fisiologia e se torna uma ciência independente. Quando surgiu, a psicologia tinha a consciência como foco.  Além de curar as doenças, a psicologia tinha como objetivo tornar a vida das pessoas mais produtiva e feliz. Duas linhas então se destacam: O Behaviorismo e a Psicanálise. A primeira, considera  o indivíduo resultado de estímulos e respostas, expulsando a consciência da cena, e a segunda, foca no inconsciente, algo indizível, indescritível, que causa o sujeito. Mais uma vez, o eu e a cognição não entram no jogo. .

Em 1945, com o fim da II Guerra Mundial, a psicologia volta o seu olhar apenas para a doença, pois grandes investimentos foram feitos para que fossem amenizadas as consequências desta grande desgraça humana. Aqui, além do eu, a saúde mental também foi negligenciada.

Em 1950, começa a surgir a chamada Revolução Cognitiva, que traz para cena o PROCESSO DO CONHECIMENTO. Os Cognitivistas começam a se interessar pela FORMA que a mente estrutura e organiza a experiência. Não consideram mais o indivíduo como resultado de estímulos e respostas, como faziam os behavioristas, nem como resultado de algo indizível e indefinível como preconizavam os psicanalistas com a sua noção de inconsciente. Para os psicólogos cognitivos, o indivíduo atua organizando criativamente os estímulos recebidos no ambiente. Agora o EU entra em cena definitivamente.

Em 1960 ir a Psicologia Humanista de Maslow, e as Terapias Cognitivas e Ellis e Beck, começam a tomar corpo.  A questão central do Humanismo era: Se os psicólogos estivessem com o foco exclusivo na doença mental, como poderiam aprender alguma coisa sobre SAÚDE MENTAL e QUALIDADES HUMANAS? O Humanismo foi chamado também de terceira força pois sua intenção era SUBSTITUIR o COMPORTAMENTALISMO E A PSICANÁLISE.  Os pontos essenciais desta teoria eram: a ênfase no consciente, a crença na integralidade da natureza e na conduta do ser humano, a concentração no livre-arbítrio, na expontaneidade e no poder de criação do indivíduo e o estudo de tudo que tem importância para a condição humana. (Teoria da Autorrealização).  Carl Rogers também foi um importante teórico deste movimento. Ele inaugurou a chamada Terapia Centrada na Pessoa. Ao contrário do Maslow,  sua concepção teórica partiu do estudo de pessoas emocionalmente perturbadas. Ele propôs que cada pessoa possui uma tendência inata para atualizar as capacidades e potencialidades do EU. Para Rogers, a personalidade é moldada pelo presente e pela maneira como o percebemos conscientemente (Teoria da auto-atualização).  O fracasso do humanismo se deu pois a maioria dos psicólogos humanistas trabalhavam apenas em consultório e, ao contrário dos psicólogos acadêmicos, não fizeram o mesmo número de pesquisa e nem publicaram artigos ou treinaram novas gerações de pós-graduação para dar continuidade à sua tradição.

As chamadas TERAPIAS COGNITIVAS  começam a surgir também na década de 60  com Albert Ellis e Aaron Beck. Ambos psicanalistas começam a rever os seus conceitos. Não dá mais para negligenciar o EU.Em 1962  Albet Ellis cria a Terapia Racional Emotiva Comportamental (TREC)  que tem como objetivo identificar e mudar CRENÇAS irracionais consideradas as bases dos transtornos psicológicos. A TREC de ELLIS foi uma reação ao modelo psicanalítico que não levava em consideração as bases filosóficas das perturbações emocionais, atendo-se apenas à assuntos historicamente irrelevantes e desvalorizando o uso de técnicas comportamentais para a mudança de atitude. Aaron Beck utiliza as bases teóricas do Ellis e busca  compreender as causas da depressão. Em 1967 escreve seu primeiro livro propondo e sistematizando a Terapia Cognitiva: “Depressão: aspectos clínicos, experimentais e teóricos.

Na década de 70, Albert Bandura, autor da chamada TEORIA SOCIAL COGNITIVA, começou a enfatizar o papel do REFORÇO na AQUISIÇÃO DO COMPORTAMENTO. Para  Bandura, o indivíduo também é capaz de aprender através do REFORÇO VICÁRIO, ou seja, através da observação do comportamento dos outros e de suas consequências..   Para ele, tratar os sintomas, significa tratar o distúrbio, pois eles são a mesma coisa.   Criou o conceito de Auto-Eficácia que significa o nosso sentido de AUTO-ESTIMA ou de VALOR PRÓPRIO, sensação de adequação e eficiência em tratar dos problemas da vida. Agora, além do EU, o OUTRO é incluído nos  processos psicológicos.


E é a partir deste cenário que surge, em 1998, a Psicologia Positiva com Martin  Seligman que retoma o conceito de FELICIDADE  e VIRTUDES DE ARISTÓTELES e começa a construir a sua chamada PSICOLOGIA POSITIVA.  Martin Seligman, filósofo por formação, utiliza e transforma ideias lançadas pelo MOVIMENTO COGNITIVO e aproveita a sua influência como presidente da APA (Associação Americana de Psicologia)  e começa a construir a sua chamada PSICOLOGIA POSITIVA que põe no centro da questão o BEM-ESTAR SUBJETIVO DO INDIVÍDUO. E nós, queridos, estamos atualmente no centro deste movimento. Fazemos parte desta história. Cabe a nós, psicólogos e interessados na evolução das potencialidades humanas, dar continuidade a este novo modelo de pensamento. Novas propostas e intensas pesquisas serão bem aceitas e fortalecerão o movimento.  O convite está feito. 





Adriana Santiago
crp: 05-20345
Psicologia Positiva
Consultório: Itaipu - Santa Rosa - Copacabana